08/07/2020 às 17h19min - Atualizada em 08/07/2020 às 17h19min

O silêncio dos governantes

ADRIANO SANTOS
Incrivelmente o silêncio é terrível. Eu particularmente já escrevi sobre isso pelo menos três vezes por aqui, mas o silêncio dos governantes é aterrorizante.

Não é possível alguém no comitê, na Prefeitura, com alguma influência com os gestores, que fale sobre a importância de atividade física e afins.

Não vim aqui defender abertura de nada, não vim aqui usar a pandemia para autopromoção. Eu vim aqui falar de esporte, os benefícios são gritantes e há um silêncio das autoridades competentes.

Não entendo qual matemática que as autoridades não entendem sobre a importância de atividade física e seus efeitos.

Apenas 30 minutos por dia, a atividade física previne muitas doenças que hoje diante da Covid-19 chamamos de comorbidade.

Previne o desenvolve de doenças crônicas, como hipertensão e diabetes. Atividades físicas controlam os níveis de colesterol, é uma aliada ao tratamento a depressão e crises de ansiedade.

A atividade física melhora o condicionamento muscular, a função cardiorrespiratória do nosso organismo, ganho de massa muscular, autoestima, controle de peso, etc.

Atividade física é aliada a melhora do sono, ao desempenho cognitivo, redução dos níveis de estresse e a sensação de bem-estar.

Segundo a Organização Mundial da Saúde, um a cada cinco adultos e quatro de cinco adolescentes não praticam atividades físicas. As pessoas sedentárias apresentam 30% de chance a mais de desenvolver problemas de saúde e de saúde mental.

Não quero criticar o rito da gestão pública. Aliás, a vida não parou, mas se gasta um absurdo de propaganda, é anúncio de obras, é anúncio de tantas benfeitorias e ninguém fala do esporte. E ninguém incita, mostra números, motiva as pessoas a praticarem exercícios, não tem nenhuma campanha, nada, nada, nada.

Pratiquem exercícios, faça isso das 5h às 8h, horários de menos gente nas ruas, façam isso entre 21h e 23h, mas não deixem de caminhar, correr, fazer atividade física.

A saúde e o bem-estar não são feitos somente do profissional de educação física. Cadê os nossos nutricionistas? Onde estão os nossos fisioterapeutas? Onde estão os nutrólogos? Onde estão psicólogos? Onde está o grito dos que encorajam a promoção de saúde em nossa cidade? É esporte, são números. É saúde.




Este conteúdo é de responsabilidade do autor e não representa, necessariamente, a opinião do Diário de Uberlândia.


 
Relacionadas »
Comentários »