27/05/2020 às 10h53min - Atualizada em 27/05/2020 às 10h53min

Vasco e Botafogo, decadência e o discurso

ADRIANO SANTOS
Na última semana, as redes sociais se agitaram quando um candidato à presidência do Vasco anunciou a possível contratação de Yaya Touré, parte da diretoria Botafoguense jurava ter um acordo oral com o atleta.

Me espanta duas equipes extremamente importantes para o futebol brasileiro, preocupadas com um ex-jogador em atividade.
Não são de ex-jogadores que o Botafogo e o grande Vasco da Gama precisam, mas de grandes descobertas, atletas da base, incentivos a crianças e adolescentes que ambos precisam.

Yaya Touré, além de ausente no futebol, se porta como veterano em atividade, o Vasco e Botafogo já tem ídolos suficientes para tal façanha.

São Clubes que recentemente enfrentam problemas com salários atrasados, são clubes recentes na luta contra o rebaixamento, talvez estão esquecendo do que Fluminense e Flamengo conseguiram com jovens, base e estrutura na formação.

O Fluminense tem, sem dúvida nenhuma, grandes descobertas, Gerson, Marcelo e vários outros atletas, que geraram mais de milhões e milhões ao caixa do clube. O Flamengo de Vinícius Júnior, Paquetá, Renier e milhares que foram até agora vendidos para o futebol mundial.

A decadência do modelo de um líder não eleva o patamar de um clube, o Fluminense trouxe o Paulo Henrique Ganso, reserva e não levou o clube a estádios cheios e uma mega venda de camisas e produtos.

Estranhamente o Vasco, de Phelipe Coutinho, Alex Teixeira, Allan Kardec dentre tantos joias aposta em ex-jogadores.

Será que é melhor apostar no Talles Magno e em diversos Talles Magno do que apostar em figuras antigas do futebol?

Botafogo de Sassa, Vitinho, Almir, Matheus Fernandes, Igor Rabello e tantos, ainda insiste em buscar um novo Sedorfe.

Sedorfe não era ex-jogador em atividade e tinha números incríveis e aliás cuidava muito da parte física e mental.

O balanço financeiro dos clubes cariocas preocupam, apenas o Flamengo apresentou um superávit, o Vasco fechou o ano no vermelho com 5 milhões em déficit, juntamente com Botafogo que terminou com 20 milhões de revés.

A solução é a base, apostar nos pratas da casa, claro que muitos clubes no Brasil dependem dessas vendas para sobreviver.

De acordo com a Lei, esses mesmos clubes recebem até 5% de vendas pós vendas. Além de lucrativo, é tanto quanto promissor. A Europa adora o nosso futebol, o melhor do mundo é alvo de grandes apostas do cenário internacional.

Os medalhões podem ajudar muito equipes de segunda e terceiras divisões, a primeira divisão precisa ser aposta de grandes jogadores, mesmo que eles tenham 17 anos, 18 anos como Santos apostou em Neymar, como Flamengo apostou em Reinier, como o próprio Vasco tem Talles Magno.

O futebol carioca precisa respirar. Ser a potência que um dia já foi, com os 4 grandes, sendo 4 grandes.

Paixão Futebol. 



Esta coluna é de responsabilidade do autor e não representa, necessariamente, a opinião do Diário de Uberlândia.


 
Relacionadas »
Comentários »