16/05/2020 às 07h33min - Atualizada em 16/05/2020 às 07h33min

Os anticorpos sempre nos protegem?

ANGELA SENA PRIULI
Com milhões de casos de COVID-19 registrados em todo o mundo, as pessoas estão recorrendo aos testes de anticorpos para descobrir se foram expostos ao coronavírus, que causa a doença. Mas o que são anticorpos? Por que eles são importantes? Se os tivermos, somos imunes ao COVID-19? E se não, por que não?
Essas são perguntas importantes. Os testes de anticorpos podem detectar a presença de anticorpos no sangue que se ligam ao coronavírus que causa o COVID-19. Você pode ter ouvido notícias explicando que os testes de anticorpos são essenciais para diminuir a taxa de infecção. Você também deve ter ouvido especialistas médicos avisando que os anticorpos podem não garantir imunidade contra uma segunda infecção por COVID-19. Para ajudá-lo a entender o que esses especialistas em saúde estão falando, trago aqui explicações da ciência:
 
O que são anticorpos e como os fabricamos?
 
Os anticorpos, também conhecidos como imunoglobulinas (Ig), são proteínas especializadas capazes de reconhecer e se ligar a partículas de formato único - chamadas antígenos - encontrados na superfície de um patógeno, que pode ser uma bactéria, vírus, parasita, etc. Os anticorpos são produzidos pelas células B, que são glóbulos brancos especializados do sistema imunológico. As células B têm anticorpos em sua superfície celular que lhes permitem reconhecer qualquer coisa estranha. Quando encontram um patógeno, as células B se transformam em células plasmáticas, que começam a produzir anticorpos projetados para se ligar a um antígeno específico desse patógeno que invadiu o organismo.
 
Como os anticorpos param uma infecção?
 
As células plasmáticas liberam grandes quantidades de anticorpos na circulação do corpo. Isso nos protege de duas maneiras principais. Primeiro, os anticorpos podem se ligar a antígenos do lado de fora do patógeno para impedir que ele entre em nossas células. Isso é particularmente importante para vírus, que entram nas células humanas para se replicar (por isso, se o vírus parar de entrar nas células, você não ficará doente). Segundo, ao se ligar a antígenos no patógeno, os anticorpos também sinalizam outros glóbulos brancos, que engolem e destroem o patógeno. Portanto, em resumo, os anticorpos podem neutralizar um vírus e marcá-lo para destruição.
 
Por que produzimos anticorpos?
 
Existe uma resposta imune a infecções, que é chamada de inata (nossa linha de frente), na qual outras células como neutrófilos e macrófagos atacam qualquer coisa que lhes pareça estranho, sem reconhecer por meio de um anticorpo. Por outro lado, os anticorpos fazem parte da nossa resposta imune adaptativa, que é uma resposta refinada e direcionada a um antígeno específico. A primeira vez que encontramos um vírus, algumas de nossas células B se tornam células plasmáticas, mas outras se transformam em células B de memória. Na segunda vez em que você é exposto ao mesmo patógeno, essas células de memória se transformam rapidamente em células plasmáticas que produzem grandes quantidades de anticorpos específicos para antígenos para combater a infecção.
 
A primeira vez que alguém é infectado por um patógeno específico, normalmente leva algumas semanas para fabricar anticorpos específicos para antígenos. Mas se formos reexpostos ao mesmo patógeno, a produção de anticorpos específicos para antígenos é rápida, geralmente no primeiro dia. É por isso que somos tão dependentes de vacinas para nos proteger de muitos patógenos. As vacinas geralmente contêm partes do patógeno que podem estimular nosso sistema imunológico a fabricar anticorpos específicos para antígenos e produzir células de memória. Portanto, se formos expostos a esse patógeno novamente, já estaremos preparados para responder muito rapidamente.
 
Com anticorpos contra COVID-19, estaremos protegidos?
 
Esse novo coronavírus é novo para a população humana - nunca fomos expostos a ele antes, portanto há muitas incógnitas sobre como reagimos a ele. Em qualquer população, existe um alto grau de variabilidade individual em nossas respostas de anticorpos a um patógeno na quantidade, tipo e qualidade dos anticorpos que fabricamos.
Algumas pessoas produzem muitos anticorpos de alta qualidade que são muito bons em reconhecer o antígeno relevante e se ligar a ele. Se isso acontecer, o vírus é rapidamente ligado a anticorpos e eliminado antes mesmo de causar uma infecção.
Outras pessoas produzem anticorpos, mas não são tão eficazes na ligação do patógeno. Nessa situação, os anticorpos fornecem apenas proteção parcial: eles diminuem a velocidade do vírus, mas o vírus ainda pode causar algum grau de infecção. Esses indivíduos geralmente apresentam alguns sintomas e eliminam o vírus por um longo período de tempo.
Também existem pessoas que produzem anticorpos de qualidade muito baixa ou muito ruim. Nesse caso, embora essas pessoas produzam anticorpos, a imunidade não é muito eficaz para que possam ocorrer infecções prolongadas com sintomas mais graves. Também é provável que sejam reinfectados posteriormente. Esta é uma das grandes incógnitas deste novo coronavírus: qual a porcentagem da população que se enquadra nessa categoria?
 
Os idosos continuam produzindo anticorpos?
 
Essa é uma das grandes incógnitas na era do COVID-19. Em geral, pensamos que a resposta imune inata (a primeira resposta mais inespecífica que comentei acima) permanece bastante intacta ao longo da vida, mesmo em indivíduos idosos. O problema é que, se temos uma resposta imune adaptativa muito baixa, nossa resposta imune inata precisa compensar demais para compensá-la. Isso é conhecido como desregulação imunológica e pode ser um dos motivos pelos quais observamos infecções mais graves em pacientes idosos.
 
Por que entender mais sobre os anticorpos COVID-19?
Os anticorpos podem nos dizer quem foi exposto a um patógeno e, potencialmente, que proteção eles podem ter contra uma reinfecção. Como discutimos acima, existem muitas incógnitas com este novo coronavírus. Precisamos saber mais sobre como nós, como indivíduos e população, estamos respondendo ao vírus, particularmente se a imunidade ao vírus é mediada por anticorpos ou pela ação de outras células do sistema imune. Armados com essas informações, estaremos mais aptos para projetar vacinas seguras e eficazes e prever resultados para indivíduos infectados.
Deu para entender um pouco sobre como eles funcionam? Nenhuma situação é para ser temida, mas sim para ser entendida.
 
Fonte:
Entrevista com Dr Jonathan Fogle, Professor de Microbiologia e Imunologia, Nova Iorque. https://medicalxpress.com/news/2020-05-dont-antibodies-immunity.html



O conteúdo desta coluna é de responsabilidade do autor e não representa, necessariamente, a opinião do Diário de Uberlândia.


 
Relacionadas »
Comentários »