09/05/2020 às 14h53min - Atualizada em 09/05/2020 às 14h53min

O Vinho do Porto

ÉRIKA MESQUITA
Todos os amantes do vinho já tiveram alguma experiência com os vinhos de sobremesa elaborados em Portugal, os conhecidos Vinhos do Porto. São vinhos licorosos produzidos na região do Douro, demarcada há mais de 250 anos, o que a torna a mais antiga denominação de origem no mundo dos vinhos.

Somente os vinhos produzidos nessa região podem receber no rótulo a indicação de “Vinho do Porto”, sendo que para as demais partes do mundo, inclusive o Brasil, o correto é chamá-los de vinhos licorosos.

O processo de produção consiste na interrupção da fermentação alcoólica através da adição de aguardente vínica, o que confere ao produto final um nível de açúcar bastante elevado e álcool com teor entre 19 e 22%. Os aromas são complexos e a persistência em boca incomparável. Por isso, também são chamados de “vinhos generosos”.

Essa prática conhecida por “aguardentação” segue desde 1820 os mesmos padrões, interrompendo-se a fermentação antes de seu final, mudando o que acontecia anteriormente (desde 1756) quando o enólogo aguardava o final da fermentação alcoólica para depois adicionar a aguardente.    

Ao comprarmos um vinho desses é importante conhecer o estilo, para saber o que estamos levando para casa. Quanto à cor, temos vinhos do Porto brancos, tintos e até rosés, embora esses sejam mais raros. Quanto à doçura podem ser: muito doces, doces, meio-secos ou extra-secos, característica alcançada quando a fermentação é interrompida. São ideais para acompanhar bolos, tortas, sorvetes e queijos com goiabada e geleias de frutas.

Uma característica nos vinhos do Porto tintos é relativa ao tipo de envelhecimento. Os vinhos Ruby são mais jovens, produzidos para manter mais cor e mais aroma, podendo ou não passar por madeira. Os melhores vinhos dessa categoria são os LBV (Late Bottled Vintage) e os Vintage, que podem ser guardados para evoluírem em garrafa.

Os vinhos do estilo Tawny passam por envelhecimento em madeira, por isso apresentam visual mais evoluído, com coloração variando bastante. Nos aromas percebemos a lembrança de frutos secos e madeira. As categorias são Tawny, Tawny Reserva, Tawny com Indicação de Idade e Colheita.

Segundo os especialistas portugueses, devem ser servidos a uma temperatura em torno dos 15ºC, para aproveitarmos o melhor de suas características.



Esta coluna é de responsabilidade do autor e não representa, necessariamente, a opinião do Diário de Uberlândia.


 
Relacionadas »
Comentários »