22/02/2020 às 08h30min - Atualizada em 22/02/2020 às 08h30min

Flamengo, vice-campeão?

ADRIANO SANTOS
 

Na última quarta-feira (19) no jogo de ida da Recopa Sul-Americana, o Flamengo conheceu de verdade o impacto físico e fisiológico dos 2800 metros de altitude. E pra piorar a tentativa frustrada de escalar o herói improvável da Libertadores, que pra mim, é o único jogador que não deveria entrar no time do Flamengo, Diego Ribas. Um Flamengo que não tomou uma goleada, só porque os deuses do Futebol não quiseram. O primeiro tempo da forte equipe do Independiente, um segundo tempo da forte equipe do Flamengo.

O jogador Bruno Henrique isolado, a atuação impecável do jovem treinador Miguel Angel, um conjunto de árbitros pacóvios, e um Flamengo totalmente diferente do habitual.

Por um lado, Miguel Angel descobriu espaços nas costas de Gerson e Arão, de outro um Diego como meia central. No primeiro tempo 16 finalizações do time da casa, do outro um erro de impedimento grotesco.

O Flamengo conheceu pela primeira vez seu vice-campeonato, embora tenha tudo para ser campeão dentro do Maracanã. O Flamengo não representou a sua hegemonia sobre a forte equipe do Independiente. O Flamengo não tem Pablo Mari, e não tinha Gabigol. O Flamengo não tinha linhas altas em pressão, o Flamengo sentiu.

O absurdo pênalti marcado pelos errantes, a feliz surpresa do Vitinho e do Pedro - aliás, o Pedro poderia ter entrado no primeiro tempo -, a agressividade permissiva da equipe equatoriana pelos árbitros. Todos estes elementos que deixaram a partida eletrizante.
O banco do Flamengo salvou Jorge Jesus, não haverá facilidade nenhuma no Maracanã. Aliás, vale Taça Continental, respirar no Rio de Janeiro é mais fácil, mas devemos lembrar que os titulares do Flamengo fizeram apenas quatro partidas oficiais este ano. Um time que ainda não atingiu seu auge físico e que encontrou uma equipe à altura para uma boa partida de futebol.

Jorge Jesus começou sua história contra o Atlhético Paranaense. Se reergueu no Maracanã pós o desastre da 1° Escalação na  Libertadores em 2019 e Diego machucou naquele jogo e só voltou no final do ano. Em 2020 foi Bruno Henrique, que seu retorno só o tempo dirá.

Elementos não faltarão para esse jogo. O Maracanã está lotado e sentirão sim as ausências de Bruno Henrique e Rodrigo Caio. Mas o Flamengo precisa jogar, o Flamengo sabe jogar. O Flamengo será campeão. Mas milagres acontecem, e no Futebol acontece toda semana.

Boa leitura!

*O conteúdo desta coluna é de responsabilidade do autor e não representa, necessariamente, a opinião do Diário de Uberlândia.











 

Tags »
Relacionadas »
Comentários »