11/04/2017 às 09h13min - Atualizada em 11/04/2017 às 09h13min

Coluna Bola em Jogo

De volta à Série D

O Uberlândia Esporte está de volta ao Campeonato Brasileiro da Série D. Este era o objetivo do clube neste ano e foi alcançado. Para uma agremiação que amargou cinco temporadas seguidas no Módulo II de Minas e que disputou, até domingo último, seu segundo campeonato do Módulo I o progresso é grande. São conquistas importantes feitas pela sucessão de acertos, erros e novos acertos de uma diretoria que tem maioria de homens jovens, que vão se empenhando a fundo e ganhando valiosa experiência que só pode levar a mais acertos do que erros daqui para frente. Dentre esses homens está uma grande revelação de Diretor de Futebol: Fabrício Tavares. Recebeu uma autêntica batata quente e a segurou com galhardia e inteligência. Suas mãos não queimaram e de agora em diante está preparado para dar contribuição mais qualificada, porque também conviveu com problemas, que administrou bem, e vai saber se prevenir para a continuidade de seu trabalho voluntário. O jogo de domingo no Parque do Sabiá não foi bom tecnicamente. O Uberlândia com todo o seu meio de campo mudado e mexido no ataque não rendia bem. O Tupi, também com problemas, optou por se fechar e buscar os contra-ataques. Depois de 0 a 0 no primeiro tempo, registrou-se um correto 1 a 1 no segundo. No final e depois do jogo havia muitos torcedores emocionados com a conquista. Como as pessoas não reagem de forma igual, quando Rua Teles empatou para o Tupi, aos 33, também teve muitos torcedores indo embora. Para emocionados e revoltados o que vale é a volta do Uberlândia Esporte ao Campeonato Brasileiro da Série D, oito anos depois da última participação em 2009. Como só voltará para valer em 2018 serão nove anos fora. Daqui pra frente o próximo objetivo é subir para a Série C da CBF.

D pra já?

Alguém me disse domingo, no estádio, que a diretoria do Uberlândia Esporte está trabalhando com atenção nos bastidores porque pode ganhar a vaga e disputar o Campeonato Brasileiro da Série D já este ano. Faço o registro apenas porque o ditado diz que onde há fumaça, há fogo. Tomara, mas eu não acredito nesta possibilidade. Para isto acontecer o Villa Nova teria que desistir. A mesma fonte me disse que o Villa pode desistir por estar enfrentando séria crise financeira. Conheço bem a Grande BH e o Villa Nova tem muita gente graúda por ali, que não deve deixar isto acontecer. Se o Villa desistir ele pode levar uma punição severa da CBF e até ser afastado de competições próximas, inclusive em Minas. Não correria tamanho risco. Para o Uberlândia isto teria que ficar decidido imediatamente, pois o calendário da CBF prevê o começo do campeonato para 21 de maio e o time teria que estar reorganizado e bem preparado para se dar bem. Caso contrário seria uma irresponsabilidade. O Villa Nova está no grupo A-13 da primeira fase, com Bangu, Desportiva Ferroviária (Espírito Santo) e Portuguesa de Desportos. Só dois passam à segunda fase, que já será mata-mata, depois de seis rodadas.

Vaga, como?

Também fui perguntado, ainda no Parque do Sabiá, como sobraria a vaga para o Uberlândia em caso de desistência do Villa Nova. Não soube responder de imediato e fui conferir domingo à noite, após chegar em casa. A vaga seria do Uberlândia Esporte, sim, mesmo ele tendo ficado em décimo lugar no campeonato mineiro do ano passado. Acontece que depois do Villa Nova está o Tricordiano, que não tem condição nenhuma de ocupá-la. Vai levar um ferro deslumbrante do TJD e da FMF, pois não pagou as taxas de arbitragens de seus jogos deste ano e não deu condição ao seu estádio para mandar jogos. Em seguida ficaram classificados o Tombense e o Tupi, ambos da Série C da CBF. E depois dos três está o Uberlândia Esporte Clube. Daí é que pode ter surgido essa ideia.

Relacionadas »
Comentários »