27/12/2019 às 10h30min - Atualizada em 27/12/2019 às 10h30min

Hora de agradecer

CELSO MACHADO

Chega o final de ano e, também, uma breve reflexão sobre muito do que ele nos propiciou. No meu caso tenho mais que agradecer... e muito.

Seja pelos 56 encontros que esta coluna semanal por um carinho muito grande da direção do “Diário de Uberlândia” me proporciona; por mais duas edições do “Almanaque Uberlândia de Ontem e Sempre” que consegui lançar e que permitiu homenagens tão merecidas a personagens relevantes da vida de nossa cidade.

Pela realização do “Top of Mind Uberlândia S.A.”, edição número 22 que conseguiu superar bastante meu exagerado otimismo. Um evento marcante que reforçou o prestígio que conseguimos alcançar com muita determinação e o apoio de tantos que estiveram conosco, co-promotores, anunciantes, parceiros. Enfim a elite empresarial de Uberlândia.

Agradeço até mesmo o 8º “Racha dos Velhos Malandros” que a partir deste ano, além de um representante do futebol de nossa cidade, passou a homenagear também um do esporte especializado. E que nos permitiu formalizar a gratidão de Uberlândia pelo tanto que os “craques inesquecíveis” Mairon Cesar e Rubens Guilherme “Rubão” fizeram pelo esporte uberlandense.

Pelos mais de 40 “Prosa Mansa” gravados com pessoas especiais para o programa “Uberlândia de Ontem e Sempre”, muitas que nem conheci e que passei a admirar profundamente.

De terminar as gravações de uma nova temporada do “Simplesmente Minas” que proporcionou a um apaixonado por Minas como eu, conhecer muitas outras cidades mineiras. E constatar quão pouco sabia do nosso estado e das incríveis e diversas belezas que possui, sendo a maior delas a generosidade e sabedoria de sua gente.

E por falar em origens, tive também o privilégio de voltar a Portugal em março e desta vez dedicar em buscar novos e pequenos lugarejos para conhecer. Aprender mais sobre vinho, tarefa em que fui outra vez reprovado.

Agradeço por receber queridos amigos portugueses e compartilhar com eles momentos incríveis na Bahia, especificamente em Porto Seguro.

Graças à generosidade e paciência de companheiros super especiais, junto com minha esposa tivemos oportunidade de conhecer (e ficar encantados) com a África do Sul.

Este 2019 ficou marcado ainda por ter sido o ano que nosso filho ficou noivo, o que permitiu começar a aumentar mais nossa família.

Graças a Deus vivi momentos maravilhosos com minha esposa, meus filhos, parentes, junto com colegas, amigos e com todos com quem convivemos.

Tivemos perdas sim, mas nem de longe, mas de bem longe mesmo, se equiparam ao tanto que ganhamos.

Era para ter “desengordado” uns 5 quilos, mas isso ficou para 2020... A saúde está correspondendo, as oportunidades se renovam possibilitando a continuidade e a realização de novos projetos.

Este ano vai ficar para a história como aquele em que começou uma moralização na Câmara de Vereadores sem precedente na vida de Uberlândia. Que, com toda certeza, vai ter desdobramentos altamente positivos nas próximas eleições municipais.

No futebol, o Uberlândia voltou para a divisão especial e o Vasco, muito graças a Luxemburgo não caiu.

Até no nosso racha, duas vezes por semana no Cajubá, consegui este ano um feito excepcional, que chega perto da campanha que o Flamengo fez: ganhei uma partida jogando ao lado do Eliseu. Para quem não conhece (faz sentido explicar) esse conhecido advogado é um craque daqueles considerado “matador”. Mata o time dele de raiva. Por isso ganhar um racha jogando do seu lado é quase que para entrar para o Livro dos Recordes.

E para fechar o ano, tendo muitos outros motivos para comemorar, ainda tive o privilégio de ver o candidato a vereador em quem votei não ser preso...

Convenhamos, tenho ou não tenho motivos para agradecer este bendito 2019 e torcer para que 2020 seja pelo menos igual?

*Esta coluna é de responsabilidade do autor e não representa, necessariamente, a opinião do Diário de Uberlândia.


















 

 

Relacionadas »
Comentários »