12/05/2019 às 08h15min - Atualizada em 12/05/2019 às 08h15min

Opinião alheia é importante?

KELLY BASTOS (DUDI)
Fala sério!

Você é uma daquelas pessoas extremamente preocupadas com o que os outros vão pensar sobre seus atos? Sim? Então, saiba que, quem vive assim fica à mercê das ideias e pensamentos externos, sem ser capaz de pensar por si mesma (o), avaliar e tomar uma decisão com segurança.

Veja o que a nossa consultora, Eliana Alves Pereira, psicóloga, fala sobre pessoas dependentes de opiniões alheias.

“É claro que as avaliações de outras pessoas podem servir como ótimos feedbacks e ajudar na estratégia de escolha em várias situações, mas não pode jamais ser a base de tudo. Se dermos a outra pessoa o poder e a condição de escolher o que é melhor para nós, perdemos nesse momento toda e qualquer condição de escolha, liberdade e autonomia”.

Ela continua e afirma que quem vive sem saber o que deve fazer, como agir, se portar e pensar, acaba perdendo autonomia, apresenta dificuldade de escolha e perde a liberdade de ação. Quem está atento excessivamente ao que os outros vão dizer, acaba muitas vezes por abrir mão de seus próprios sonhos, desejos e vontades.

A preocupação exacerbada e até mesmo um comportamento inseguro em relação ao que os outros pensam sobre nós pode gerar grande desconforto e nos privar da nossa liberdade de expressão. Quando isso acontece é preciso rever o que está havendo, é motivo para refletir e mudar.
Ser capaz de sonhar, desejar o que se quer viver, conquistar e realizar é parte do processo de liberdade individual. Estar pronto para pagar o preço das ações e com isso enfrentar as pessoas que podem ser contra ou mesmo não entendem a necessidade desses desejos, se faz necessário.

É importante saber negociar, conversar, expor os sentimentos e vontades. O diálogo nem sempre é fácil, porém é libertador. Saber ser assertivo sem ser agressivo é uma arte. Conseguir dialogar sobre o desejo sem precisar se impor de forma violenta é libertador. Quem sabe dizer não e manter-se inteiro é capaz de seguir a vida com tranquilidade de segurança, pois respeita a si e os outros.

Quem se preocupa com o outro e não vê as próprias necessidades acaba sofrendo duas vezes: por não saber se impor e conversar e por não ser capaz de realizar o que deseja.

Para facilitar a conquista e o desfrutar dos sonhos e objetivos é importante o diálogo claro e aberto com as pessoas à sua volta. Normalmente, o medo da rejeição, da punição e castigo são mais fortes e que bloqueiam a tomada de decisão.

Para desenvolver atitudes livres, experimentando liberdade de pensamento e ação, sem se importar de forma rigorosa com que as pessoas vão achar ou opinar sob a vida é preciso autoconhecimento para o amadurecimento pessoal. Sessões de psicoterapia, hipnose, coaching e outras técnicas podem ser muito úteis e libertadoras, disse nossa consultora.


Todo conteúdo publicado nesta página é de inteira responsabilidade do autor e não reflete, necessariamente, a opinião do jornal.
Tags »
Relacionadas »
Comentários »