18/04/2019 às 08h15min - Atualizada em 18/04/2019 às 08h15min

Uberlândia X Uberaba: o futebol como confirmação e pretexto para uma rivalidade

TIAGO BESSA
Neste sábado (20), às 16h, acontece um dos mais importantes clássicos do interior de Minas Gerais. Uberlândia e Uberaba, Periquito e Zebu, Esmeraldinos e Colorados, entram em campo para um jogo que pode marcar a queda do clube uberabense para a divisão consecutivamente inferior, caso perca para o Verdão e haja uma combinação de outros resultados. Será, caso isso aconteça, uma grande tristeza para nossos vizinhos e, ao mesmo tempo, uma grande alegria desportiva para os uberlandenses/uberlandinos, já que o Verdão está classificado e almeja a primeira colocação.

Acontece que esta rivalidade não começou nas quatro linhas e, há tempos, ela é utilizada como pretexto para algo que se arrasta desde os tempos de São Pedro do Uberabinha. Os mais atentos à história de nossa região sabem que Uberlândia pertencera ao município de Uberaba até a data de 31 de agosto de 1888, ainda com o nome de São Pedro do Uberabinha. Talvez aí resida a origem de uma rivalidade política que, no final da década de 1910, atingiria também as quatro linhas do futebol. Há controvérsias sobre a data de fundação do UEC (que oficialmente data de 1922), uma vez que documentos históricos de Uberaba relatam partidas entre o time local e o Uberabinha Sport Club já no ano de 1918.

A cidade de Uberaba, até por ser mais antiga e de localização outrora mais estratégica, era mais populosa, mais desenvolvida e foi pioneira na pecuária, na educação superior, no esporte profissional e em muitas outras atividades, o que mudou radicalmente a partir do final da década de 1970. A rivalidade se tornou uma clássica "briga de vizinhos", que disputavam quem tinha o estádio maior, as praças mais belas, o parque industrial mais pujante, a maior influência política no estado e na capital federal e... o melhor time de futebol.

Infelizmente nem todas as pessoas conseguem manter o respeito necessário mesmo no âmbito de uma rivalidade e, por isso, alguns acabem exagerando em suas manifestações. Em 2010, por exemplo, no primeiro jogo da final da Taça Minas, fui ao Estádio Uberabão torcer pelo Verdão. Ao final da partida, devidamente uniformizado com o manto esmeraldino, encaminhei-me para a saída do estádio quando fui surpreendido, juntamente com centenas de outros torcedores do Verdão, por alguns uberabenses armados de pedras e dispostos a nos agredir por um motivo torpe - se é que isso pode ser denominado "motivo" -: a tal rivalidade. No "front" dos agressores, para minha surpresa, um ex-namorado de uma das minhas irmãs, amigo da minha família, que ficou envergonhado quando me viu e, tentando disfarçar, dispensou a sua pedra "antiuberlandense".

Estarei no Parque do Sabiá neste sábado para torcer, sobretudo, pela civilidade, educação e humanidade dos presentes. Inclusive, que saibam: quem vos escreve é um uberabense de nascimento e de coração; mas um uberlandino a quem o Verdão cativou aos 8 anos de idade!


*O conteúdo desta coluna é de responsabilidade do autor e não representa, necessariamente, a opinião do Diário de Uberlândia.
Tags »
Relacionadas »
Comentários »