07/04/2019 às 06h00min - Atualizada em 07/04/2019 às 06h00min

Uma revolução gentil e acolhedora

DENISE AFONSO
(Divulgação)
A vida nas grandes cidades nos faz desconectar da vida natural. E isso, como todos sabem, pode provocar distúrbios emocionais como ansiedade, depressão, estresse e doenças. Contudo, o cultivo de hortas em espaços urbanos está atraindo cada vez mais adeptos desse movimento.

Uma oportunidade de termos mais contato com a natureza, vivenciar os ciclos naturais, entender melhor seu funcionamento. Esse contato com a horta pode nos proporcionar uma significativa melhora na nossa qualidade de vida.

Arregaçar as mangas, colocar as mãos e pés na terra e comer alimentos que você mesmo plantou, ajuda a conseguir a tão desejada harmonia que tanta gente busca. Intervenções coletivas em espaços públicos e privados estão trazendo um movimento gentil e orgânico. Um trabalho extremamente valioso que traz benefícios paisagísticos, ambientais, sociais e culturais.

A horta coletiva tem um espírito mais acolhedor, uma necessidade de conexão entre pessoas que foi se perdendo com a massificação urbana, um resgate de senso de vizinhança. Promove a convivência diária entre usuários e vizinhos. Um espaço público ideal para encontros comunitários que resgata valores morais e cívicos em prol do bem comum.

Se você quiser fazer parte desse movimento, comece pesquisando para ver se já existe alguma horta coletivas no seu bairro. Começar um projeto de agricultura na praça, no seu terreno, converse com um especialista agrônomo, para ver quais espécies se adaptam ao clima, quais podem ou não ser plantadas e como fazer o plantio.

Você pode também plantar árvores nas calçadas, transformar o jardim de sua casa ou condomínio em uma pequena floresta urbana em vez de ter um jardim baseado apenas em plantas ornamentais.

Então, vamos lá! Mãos à horta!

DICAS

Para evitar que o mato tome conta da área das hortas, recomenda-se o plantio de espécies que não requerem muito cuidados (milho, batata-doce, mandioca etc) ou que favorecem a fertilidade dos solos, como as leguminosas (feijões, crotalária etc). Adubação de cobertura: para o bom desenvolvimento das hortaliças que permanecem mais tempo nos canteiros é necessário complementar a adubação feita na etapa do plantio com mais adubo orgânico.

Escarificação: a terra dos canteiros precisa ser afofada frequentemente para melhorar sua oxigenação e possibilitar a penetração da água de irrigação.

Estaqueamento: consiste na colocação de estacas em plantas com crescimento indeterminado, encontradas em determinadas variedades de vagem, pepino e tomate. Possibilita maior produção e melhor colheita de frutos.

Rotação de culturas: é a prática de variar o local de cultivo de uma mesma espécie de hortaliça. Ajuda na defesa das plantas contra as pragas, além de restaurar as propriedades e fertilidade dos solos. De forma geral, recomenda-se que após o plantio de uma hortaliça folhosa se realize o cultivo de raízes, e que após a colheita de uma raiz, se prepare o canteiro para o plantio de uma hortaliça folhosa. Ex: alternar cenoura, beterraba ou outra raiz, com alface, salsa, chicória etc.

Fonte: FAO
 
Suco Verde Matinal (ao acordar)
Isabela Ferreira @tecuida
De onde vem o seu alimento? Como ele foi cultivado? Conhecer a origem do nosso alimento é o passo inicial para uma boa alimentação. Estar em contato com a terra é fundamental para conectarmos com nossa real essência e nutrir corpo, mente e espírito.

Receita para 1 porção
Ingredientes:

1 Maça orgânica preferencialmente (com casca) ou ¼ batata yacon
200ml de água de coco natural
Legumes crus – VARIAR:
¼ pepino + ¼ abobrinha pequena ou
½ pepino ou
¼ pepino + 1 chuchu pequeno
½ cenoura
Folhosos – VARIAR:
1 folha couve + 1 folha de acelga ou
1 folha de acelga + 2 folhas de alface ou
1 folha de chicória + 1 folha de couve + 1 folha de alface ou
1 rama de cenoura + 2 folhas de alface
Ervas aromáticas: pode-se mesclar das ervas
1 punhado de Manjericão ou Hortelã ou menta ou Salsinha ou Salsão
1 rodela de gengibre: 3 cm +/-
1 “dente” de cúrcuma: 2 cm ou 1 colher de chá de açafrão em pó
Suco de 1 limão. Adicionar depois de coado
1 punhado de Plantas alimentícias não convencionais - PANC: beldroega (fonte de ômega 3), vinagreira, folha jovem do hibisco, ora pro nobis.

Modo de Fazer: Cortar todos ingredientes em pedaços pequenos. Colocar no liquidificador com a água de coco e bater até obter um caldo grosso (pode ser necessário bater em partes para não forças muito o liquidificador). Você pode usar a cenoura como socador para facilitar. Coar com o voal, adicionar o suco de limão e beber logo em seguida.
Tags »
Relacionadas »
Comentários »