15/03/2019 às 09h34min - Atualizada em 15/03/2019 às 09h34min

Almanaque número 16

CELSO MACHADO
Hoje entregamos para nossa cidade a edição de número 16 do “Almanaque Uberlândia de Ontem e Sempre”, mais um documento sobre sua história, sua memória. Artigos, relatos, notas e entrevistas que documentam a trajetória da nossa querida Uberlândia. Como sempre gostamos de dizer, esta é a melhor edição de todas. Só perde para a próxima.

Garimpamos, com muito cuidado, fatos interessantes graças a contribuição de parceiros competentes profundamente conhecedores da trajetória que nos possibilitaram mais uma edição que certamente além de lida, deverá ser colecionada.

A capa é um lindo trabalho do notável muralista e grafiteiro Kim Fernandes, de tão belas pinturas realistas que embelezam vários bairros da cidade. Ela homenageia a dupla Pena Branca e Xavantinho, artistas uberlandenses que introduziram a viola na música popular brasileira. A entrevistada da edição é a pianista Maria Célia Vieira que dedica sua vida a arte musical. Relembramos a trajetória da choperia que marcou época e lançou músicos de muito sucesso, o Flerts. Voltamos a 1972 para recordar um acontecimento que talvez muitas pessoas não lembrem ou até mesmo desconheçam, quando o notável médium Chico Xavier se tornou cidadão uberlandense.

Esta edição também apresenta a trajetória da Companhia de Dança Balé de Rua que tem levado para o mundo todo a demonstração da arte dos dançarinos uberlandenses. E conta um pouco da história de um dos mais tradicionais hospitais de nossa região, o Santa Clara que completou em fevereiro último, 70 anos de existência.

O personagem do almanaque 16 é um médico muito querido que conseguiu algo que não é fácil, a unanimidade de respeito entre todos, sejam pacientes, colegas e até mesmo, concorrentes. Claro que tem mais: tem os sempre valiosos artigos do dr. Oscar Virgilio, do Sr. Antonio Pereira, da Jane de Fátima, do Júlio Cesar de Oliveira e nesta edição do médico Evandro Guimarães de Souza. E muitas outras matérias mais. Inclusive notas pitorescas como o sururu provocado por jovens de Uberlândia em Araguari nos anos 70, a visita do rei Pelé as obras do estádio Parque do Sabiá, o inicio da telefonia em Uberabinha, os 50 anos da engraxataria do Bolo e por aí afora.

Importante registrar a contribuição do jornalista Carlos Guimarães que sempre com muita sensibilidade e talento retrata as diferentes manifestações culturais locais. O belo trabalho de edição, diagramação e arte dos especialistas Antonio Seara, José Ferreira Neto e Gilberto Gildo. O carinho e cuidado do Breda e sua equipe na impressão.

Mais do que todas as anteriores, esta edição foi viabilizada integralmente pelos anunciantes que nos permitiram sua produção. Tomara que na próxima, além deles consigamos atrair novos apoiadores para uma causa que julgamos significativa para nossa cidade. Semana próxima estará nas bancas. Aí todos poderão conferir seu conteúdo. Torço para que corresponda a expectativa geral.
Tags »
Relacionadas »
Comentários »