11/12/2018 às 08h31min - Atualizada em 11/12/2018 às 08h31min

Um estilo mineiro de se expressar

ANÍSIO BATISTA PEREIRA | DOUTORANDO EM ESTUDOS LINGUÍSTICOS PELA UFU
A comunicação se faz presente em todos os tipos de interação humana e assume várias formas e dimensões. O ser humano possui a faculdade humana para a comunicação e as formas de se expressar são inúmeras, sejam pela comunicação verbal ou não verbal. Assim, no contexto das vivências sociais de várias naturezas, profissionais e pessoais, os indivíduos estão sempre envolvidos nos processos de interação com outros indivíduos. A linguagem se constitui em um elemento indispensável nesse processo.

No que concerne à comunicação pela linguagem verbal, em que o uso da língua se dá como regra padrão para a compreensão de todos os falantes pertencentes a uma mesma comunidade linguística, no interior desses usos linguísticos existem distinções. No caso do Brasil, cujo idioma oficial é a Língua Portuguesa, percebe-se uma riqueza abrangente no que tange às diferenças em relação ao uso desse idioma, os denominados dialetos. Essas diferenças são mais acentuadas quando comparadas as formas usuais a nível regional do país.

Em Minas Gerais, estado integrante da região do sudeste brasileiro, o linguajar específico pode ser percebido com bastante nitidez, como os exemplos
apresentados no blog Oh, Minhas Gerais (ohminhasgerais.blogspot.com) (“Cumécocêchama? = Qual o seu nome?; Doncêé? = De onde você é?; Oncêmora? = Onde você mora?; Proncêvai? = Para onde você vai?; Cêéfiidiquem? = Você é filho de quem?”). Essas formas de se expressar, que muitas vezes são motivos de piadas até mesmo por indivíduos do próprio estado, nada mais são do que uma forma que assinala uma linguagem específica, regionalista.

Não estamos falando da comunicação escrita, mas da oralidade, já que são tipologias diferentes de usos da língua. A forma escrita exige um rigor mais universal de comunicação, pelo uso da norma padrão da língua, principalmente em determinadas situações formais com as quais o indivíduo se depara nas suas práticas sociais. Ainda que possam parecer estranhos, esses dialetos apontam para a importância da linguagem para a constituição de indivíduos em sujeitos.

Essas formas regionais, de classes sociais ou até mesmo individuais de se comunicar desempenham importante papel no sentido de constituir identidades diferenciadas. A todo instante o sujeito é convidado a fazer uso da língua na vida em sociedade e o importante é haver entendimento, diálogo nas comunicações.

Nesse sentido, em que identidades são construídas e os sujeitos se constituem pela linguagem, vale destacar que essa forma usual da língua portuguesa, que
pode ser percebida no estado mineiro, pode ser melhor compreendida a partir de uma teoria denominada Sociolinguística. Nessa direção, é interessante dar um mergulho nas diferentes identidades e perceber o quão interessantes são essas diferenças nas formas linguageiras, pois são elas que tornam nítida a riqueza da nossa língua portuguesa.                        
Relacionadas »
Comentários »