09/05/2018 às 09h48min - Atualizada em 09/05/2018 às 09h48min

'Vingadores – Guerra Infinita'

KELSON VENANCIO | COLUNISTA
Foto: Divulgação
 
Este ano a Marvel completa 10 anos de atuação nos cinemas e em tão pouco tempo de trabalho na sétima arte, o estúdio fez simplesmente 19 filmes baseados nas histórias dos heróis que ela criou no mundo dos quadrinhos. Isso sem contar o filme do “Homem-Formiga e Vespa” que chega aos cinemas em julho. O fato é que diante de tantas boas produções realizadas nesse período, “Vingadores - Guerra infinita” é o ápice desse trabalho. Em minha humilde opinião é o melhor filme de super-heróis já realizado na história do cinema.

Uma jornada cinematográfica sem precedentes produzida por dez anos através de todo o Universo Cinematográfico da Marvel, “Vingadores: Guerra infinita” traz para as telas a batalha definitiva e mais mortal de todos os tempos. Os Vingadores e seus super-heróis aliados precisam estar dispostos a sacrificar tudo em uma tentativa de derrotar o poder de Thanos antes que sua onda de devastação e ruína coloque um fim no universo.

Neste longa o arco criado desde os primeiros filmes da Marvel finalmente se fecha. Todas as pontas soltas, principalmente aquelas que assistimos nos créditos finais das produções anteriores, se entrelaçam em “Guerra infinita”. E é claro que tudo gira em torno do vilão Thanos que sempre foi muito aguardado pelos fãs e não decepciona em momento algum. E aqui vale destacar o brilhante trabalho feito pelo ator Josh Brolin que fez deste anti-herói um dos melhores, senão o melhor, vilão de todos os tempos. A interpretação dele é fantástica e ao mesmo tempo em que odiamos as atitudes dele, também entendemos lá no fundo os motivos que o levam a fazer tais coisas.

E por mais que o filme tenha duas horas e quarenta minutos de duração, a grande preocupação sempre foi o espaço de cada personagem em cena. E mais uma vez a Marvel dá um banho nesse quesito. Cada herói ou vilão, até mesmo os coadjuvantes, têm o tempo necessário para aparecer e marcar as nossas mentes nas cenas em que surgem. E isso se deve ao excelente roteiro do longa que consegue detalhar toda a ameaça representada por Thanos de uma forma espetacular, dando a cada Vingador a sua devida importância na trama.

Além disso, temos como sempre, as excelentes atuações de todo o elenco que nos faz rir com as piadas casuais que estamos acostumados a ver nos filmes da Marvel, mas também nos faz ficar aflitos e até tristes em determinadas cenas impactantes do filme. Junta-se a isso, os excelentes efeitos visuais que estão cada vez melhores e nunca parecem exagerados, mesmo nas batalhas mais fortes do filme. O filme ainda tem uma bela fotografia que nos mostra diversos planetas e uma trilha sonora empolgante.

E depois de quase três horas de duração, o que sentimos ao final do longa é a tristeza em saber que o filme já acabou e que queremos mais daquilo que acabamos de assistir. Ainda mais da forma com que a produção termina. O duro vai ser esperar a segunda parte em maio de 2019. Haja paciência para conter tanta expectativa!

Nota 10
Relacionadas »
Comentários »