11/04/2018 às 10h58min - Atualizada em 11/04/2018 às 10h58min

​'Verônica'

KELSON VENÂNCIO | COLUNISTA
Foto: Divulgação

A história de “Verônica” é baseada no relatório de polícia de Madri sobre um caso ocorrido em 1991. A trama gira em torno de uma jovem bonita e alegre de 15 anos, que passa seus dias se revezando entre os cuidados de três irmãos mais novos e as brincadeiras com seus amigos adolescentes. A mãe dela, viúva, trabalha por longas horas diariamente. O que Verônica não imagina é que, após participar de um Ouija encontrado em sua escola sua vida passará a ser terrivelmente atormentada.

O filme é dirigido por Paco Plaza que também assina o roteiro ao lado de Fernando Navarro. Este diretor espanhol é bastante conhecido por nos trazer um dos melhores filmes de terror que já assistimos: “REC”. Mas ao contrário do filme de 2007, que chegou a ter uma versão norte-americana por causa do grande sucesso, “Verônica” tem um trailer melhor que o próprio filme. A premissa é até interessante, mas o desenvolvimento da narrativa não nos agradou. Por ser um filme de terror, pouco acontece e o que acontece nem assusta.

Em alguns momentos, a trama parece que vai melhorar e deuxa uma dúvida no ar: será que aquilo tudo é algo real, mesmo sendo sobrenatural? Será que tudo não passa da imaginação de uma jovem com traumas familiares e cansada psicologicamente devido as responsabilidades que acumula com os irmãos devido a ausência da mãe que trabalha para sustentar a família? Porém, apesar dessa premissa ser interessante, ela acaba não sendo muito trabalhada no desenrolar da projeção.

As atuações também deixam muito a desejar. Como se trata basicamente de um elenco jovem, nenhum dos atores consegue fazer um bom trabalho. Para piorar, se você assistir na versão dublada, pode estragar ainda mais sua experiência. A dublagem contratada pela Netflix é a pior que já vi em qualquer tipo de filme.

Temos a impressão que este trabalho foi uma "Fan Made" de tão ruim que ficou. Aliás, tem muitas dublagens feitas por fãs que ficam bem melhores que a do filme.

O garotinho Antoñito, por exemplo, parece ter sido dublado por um homem de vinte e poucos anos que fez uma voz fina tentando imitar uma criança.
Verônica é tão chato que fica difícil ficar acordado esperando um susto em 1 hora e 45 minutos de projeção. Eu cochilei bastante e custei a terminar o filme.

Nota 3
Relacionadas »
Comentários »