02/02/2018 às 09h49min - Atualizada em 02/02/2018 às 09h49min

O líder também aprende, o tempo todo

MARCELO TERTULIANO* | LEITOR DO DIÁRIO

É interessante a visão que alguns profissionais ainda têm em relação ao líder. Para eles, os altos executivos já atingiram 100% de suas habilidades, do conhecimento e da capacidade técnica, intelectual e da vivência que necessitam para realizar o trabalho que lhes é designado. Como eles ocupam altos cargos, sendo responsáveis por gerir grandes equipes e projetos que envolvem milhões de dólares e de uma complexidade monstruosa, em alguns casos, são vistos como seres diferentes de outros profissionais.

Essa impressão é um pouco romanceada. Os líderes, é claro, não ocupam o cargo em que estão à toa. Sem dúvida, a experiência que possuem faz com que eles sejam diferenciados e consigam direcionar o trabalho ao objetivo, com foco, disciplina e dinamismo. A capacidade intelectual, obtida pelo estudo, e a técnica, conquistada pela vivência, também são fundamentais para colocá-los na posição de liderança, mas posso afirmar que o líder é o profissional que aprende a cada projeto e tira lições de tudo o que vive – seja bom ou ruim – para aplicá-las em prol de seu desenvolvimento e do aprimoramento de sua equipe.

Exemplifico: o ano de 2017 foi muito desafiador, porque fui chamado a participar da concretização de um projeto multidisciplinar relacionado, resumidamente falando, a uma modalidade de financiamento envolvendo Brasil, Japão, Moçambique, Malawi, Inglaterra e África do Sul. Foram cinco anos de trabalho da equipe, até que fosse assinado um contrato de 2,7 bilhões de dólares. O projeto envolveu uma centena de profissionais, uma dezena de bancos e exigências financeiras de todos esses países envolvidos, além da logística de transportar 11 milhões de toneladas de carvão a distâncias intercontinentais.

Como líder do último ano de um projeto de tal envergadura, me vi em um ambiente novo, com desafios distantes da minha realidade profissional, e inserido num contexto que já estava instalado. Foi necessário ganhar a confiança daquela equipe e fazer com que ela percebesse que eu era a pessoa certa para comandá-la. A complexidade de liderar essa equipe já formada e de construir com ela um relacionamento foi grande e me vi completamente dependente da comunicação e do pragmatismo para alcançar os objetivos. Eu precisava disponibilizar as ferramentas que a equipe necessitava para que ela entregasse mais e, em contrapartida, ela devolvia a ajuda que eu tanto necessitava para que o resultado chegasse no prazo e com a qualidade que todos esperavam.

Uma das maiores lições que aprendi com esse trabalho foi justamente a de pedir e aceitar ajuda. Sem determinar as prioridades, diante de tantas demandas, não conseguiríamos dar conta, então, foi necessário realmente delegar e determinar quem teria as competências necessárias para entregar o que era preciso. Como líder, fico extremamente satisfeito em mostrar a minha equipe que preciso de ajuda. Aprender a ser ajudado é uma forma de vantagem competitiva no mundo de hoje.

Outro aprendizado deste projeto é que, quando você faz mais do que acha que tem que fazer, o objetivo fica menos distante. Mesmo com tudo planejado, cada membro de sua equipe precisa ser motivado a fazer mais do que deve fazer, do que acredita que pode e sabe fazer. Não se trata de explorar, no sentido pejorativo da palavra, os profissionais, mas, sim, de desafiar a criatividade, o dinamismo, o potencial de cada um para que todos formem realmente uma equipe muito mais harmônica e engajada.

Nós realmente conseguimos alcançar esse objetivo. Tanto é que a empresa foi premiada, no final do projeto, pelo resultado alcançado. Muito mais motivados e unidos, os membros da equipe comemoraram o sucesso e iniciaram o ano prontos para novos desafios. Eu, como líder, aprendi também.

(*) Administrador de empresas
Relacionadas »
Comentários »