08/01/2018 às 18h13min - Atualizada em 08/01/2018 às 18h13min

Esclarecimento sobre a discussão de novo aeroporto em Uberaba

FELIPE ATTIÊ* | LEITOR DO DIÁRIO

Primeiramente, quero esclarecer que tive um áudio vazado em uma conversa privada com um empresário de Uberlândia, que estava cobrando o meu posicionamento como deputado estadual em relação a esse esboço do projeto do terminal de cargas em Uberaba.

Primordialmente, a minha resposta, que foi colocada em um grupo de whatsapp e depois difundida sem o meu consentimento, explicava sobre a minha limitação de atuação nesse assunto como deputado estadual e as atribuições e responsabilidades da bancada de federais de Uberlândia no pensamento estratégico para o futuro da cidade e da região nesses aspectos com vínculo em Brasília.

Que a primeira cobrança do empresariado local deve ser feita a eles. Falei também, o que é inegável atualmente, que os parlamentares federais de Uberaba ocupam postos de maior influência dentro das suas bancadas do que os representantes no Congresso com base em Uberlândia. Com isso, conseguiram essa homologação do aeroporto, sem a participação da bancada de federais uberlandense. Se a proposta é regional, os congressistas de Uberlândia também deveriam estar lá participando do ato da homologação em Brasília e da elaboração desse projeto, não é mesmo?

Sobre a proposta desse terminal internacional de cargas, temos que discutir melhor isso para que todos os municípios da região sejam beneficiados com as divisas que esse projeto possa vir a gerar. Da forma como está apresentada a proposta toda a arrecadação seria destinada ao Município de Uberaba. Enquanto Uberlândia é a cidade que é hoje o HUB de aviação regional para quase uma centena de municípios, entre eles, Uberaba e outras cidades importantes da região, como Araxá, Ituiutaba, Patos de Minas e Patrocínio.

Além disso, Uberlândia é o principal polo do Triângulo de atividades de valor agregado com potencial para exportação em um terminal aeroportuário desse tipo. Outro fator é que a cidade tem um histórico e uma vocação ligada à logística e há outros projetos em desenvolvimento pela iniciativa privada local em duas áreas com viabilidade para a implantação de um terminal de cargas internacional multimodal dentro dos limites do município uberlandense.

No entanto, antes de pensarmos em projetos em longo prazo que vão demandar investimentos gigantescos, acredito que no curto prazo, a prioridade Nº 1 é que seja retomado o projeto de ampliação do Aeroporto de Uberlândia, que atende mais de 1,1 milhão de passageiros por ano, com linhas diretas e estabelecidas há anos para as principais capitais do Brasil, mas cuja infraestrutura necessita de melhorias urgentes para atender os usuários de toda a nossa região.

Atualmente, a capacidade de atendimento do aeroporto de Uberlândia está incompatível com essa quantidade de passageiros na escala do milhão/ano. Usuários que pagam taxa de embarque de quase R$ 30. Ou seja, por ano, é recolhida somente com essa taxa mais de R$ 30 milhões pela Infraero. Temos, antes de pensar num terminal para o futuro com recursos da iniciativa privada, melhorar o nosso atual, cobrando dos nossos representantes em Brasília e da Infraero respostas sobre a continuidade da ampliação do terminal utilizado atualmente por toda região do Triângulo Mineiro com voos regulares das três principais companhias aéreas brasileiras.

(*) Deputado estadual e presidente da Comissão de Defesa do Consumidor e do Contribuinte da ALMG

Relacionadas »
Comentários »