24/12/2017 às 05h28min - Atualizada em 24/12/2017 às 05h28min

Seu espírito neste Natal

ALEXANDRE HENRY ALVES* | COLUNISTA

Todo mundo tem um motivo para ficar triste no natal. Para começar, a lembrança daqueles que já se foram. Nossa, como isso é ruim! De repente, você começa a se lembrar daquele ente querido que partiu, pensa no quanto era boa a companhia dele nesta data tão especial e, aí, é quase impossível não ficar triste. Claro, tem a tristeza de não poder estar perto dos vivos também, já que muita gente mora em cidades distantes, longe da família e dos amigos de infância. Isso é muito chato. Natal é dia de ficar perto de quem a gente ama e não poder fazer isso entristece o coração.

Falando em ficar perto, há motivos para estar triste ou chateado no Natal por ter que aturar aquele parente ou conhecido chato que te magoou um dia. Olhar para aquele rosto de novo certamente é algo desagradável e isso ajuda a deixar o seu Natal mais triste. Tristeza também existe por lembrar que, enquanto aquela ceia gigantesca já indica muita comida sobrando e até perdendo no dia seguinte, milhares, quer dizer, milhões de pessoas não têm ao menos um prato de comida. Tristeza pelas pessoas que estão nos hospitais, pelas mães e pais de filhos presos, pelo seu vizinho que entrou em depressão.

Há esses e muitos outros motivos para ficar triste no Natal. Sim, eu sei. Conheço tanta gente que fica amuado neste dia que daria uma lista enorme aqui, mais do que cabe neste espaço.

Mas, quem morreu, se estivesse aqui, certamente gostaria de estar festejando da maneira mais feliz possível. Provavelmente, se há um lugar em que os mortos podem nos ver, a maioria deles, se puder, está lá olhando para você e pensando que gostaria de estar no seu lugar, junto com entes queridos em uma noite especial. E os vivos queridos que não estão perto de você? Essa tristeza é difícil de afastar, mas tem jeito. Lembro-me que me mudei com a minha esposa para Porto Velho em 2009 e, no Natal daquele ano, tivemos que ficar por lá, a mais de 2500 km de distância das nossas famílias, porque eu estava de plantão. Foi o último dos tradicionais Natais na casa da minha avó Joana, que faleceria no ano seguinte, em outubro. Mas, o que nós fizemos? Morávamos em um micro condomínio, com quatro casas apenas. Juntamos todos os vizinhos, amigos e quem mais estivesse na mesma situação que a nossa, longe dos entes queridos. Que Natal! Festejamos até amanhecer e, sinceramente, sinto saudades daquela noite.

Eu citei os chatos também e isso pode mesmo ser um motivo de tristeza. Mas há três caminhos a seguir: a) ficar triste por ter que dividir o mesmo espaço com o traste; b) tentar uma reconciliação com a pessoa, aproveitando o espírito de Natal; c) ser feliz de qualquer jeito, independentemente do perdão ou da presença do cidadão, já que não há outro jeito a não ser aturar a presença dele. É questão de escolha e, no meu caso, eu ficaria com as opções “b” ou “c”, a depender da pessoa e do meu histórico com ela. Mas, certamente não ficaria com a opção “a”, porque ela, além de não resolver a situação entre dos dois que brigaram, ainda estraga essa noite tão especial.

Quanto às pessoas com fome, aquelas que estão nos hospitais e outras situações tristes, bem, não há muito o que fazer justamente na noite de Natal. Claro, existem pessoas que gostam de comemorar o Natal em abrigos, hospitais e outros lugares cheios de gente carente. Para quem faz essa opção, meu sincero elogio e minha admiração. Mas quem faz isso já está bem consigo mesmo, então não é com essas pessoas iluminadas que devo me preocupar. E quem não foi passar o Natal com os desafortunados? Bom, aí depende de como foi a sua vida durante o ano, em relação a essas pessoas. Se você batalhou para diminuir a fome de alguém, se deu conformo material ou espiritual para quem estava acamado, acho que você deve apenas agradecer a Deus por ter tido forças para fazer isso e comemorar o seu Natal de maneira feliz e em paz. Afinal, se você pensar, quem está com fome ou em um leito de hospital gostaria de ter a oportunidade que você está tendo de, com saúde, ter uma noite maravilhosa. Já se você não fez nada durante o ano por essas pessoas, então das duas, uma: a) ou você reconhece que falhou durante o ano, ao não fazer nada por elas, buscando nas bênçãos do Natal energia para mudar de atitude no ano seguinte; b) ou você, caso não queira mudar de atitude, simplesmente esqueça aquilo, já que a sua tristeza, por si só, não vai mudar a vida de ninguém.

Enfim, existem milhares de motivos para você ficar triste na noite de hoje. Mas, para cada motivo, acho que sou capaz de apontar outro para que você fique feliz. Aproveite a sua noite, seja sozinho, com a família, os amigos ou até com desconhecidos, mas aproveite. Feliz Natal!

Relacionadas »
Comentários »